Afeto, carisma e acolhimento. Foi desta forma que a 10ª edição do Sarau no Ponto aconteceu no último sábado, dia 7, marcando a comemoração do Dia da Independência do Brasil, em que os amantes pela arte e a cultura brasileira puderam prestigiar tal fato.

Tendo início às 16h39, o evento cultural contou com apresentações de músicas, poesias, danças e várias outras manifestações artísticas em que o próprio público espectador também se torna protagonista, sem a ideia de “barreira” entre palco e plateia.

Além da participação especial de Natália Marques e Léo Ramos, uma dupla formada por dois estudantes em Ilha Solteira, aconteceu durante o Sarau, o lançamento do livro infantil “A Janela Amarela”, escrito por Marilene Pacheco Teubner, atual presidente da Casa do Poeta de Jales e também ocupante da cadeira de nº66 da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro.

A escritora Marilene explica que a ideia de escrever um livro de poesias infantil nasceu dentro de uma escola. “Foi especial participar do Sarau, onde tive a oportunidade de divulgar meu primeiro livro infantil. A ideia de se fazer o livro de poesias deu inicio dentro da Escola Municipal Pinguinho de Gente, em Urânia, cidade onde resido. Durante os preparativos da FLIU no ano passado, uma garotinha de cinco anos perguntou o porquê eu sendo poeta não escrevia um livro para crianças, diante da pergunta a inspiração surgiu e a Janela Amarela nasceu”.

O Sarau no Ponto também contou com a presença ilustre de um dos pioneiros do teatro na cidade, Walter Máximo. O ator, diretor e professor foi diretor geral e artístico do primeiro grupo de Teatro Amador de Jales – TECA fundado por ele e por seu amigo, Antônio Dan. Jovens. “Nossa primeira peça do grupo TECA foi apresentada no Clube do Ipê, em 1972. Passaram-se 47 anos e continuo realizando meus trabalhos no teatro montando espetáculos na Cia. “Vírus da Arte” de Rio Preto há 30 anos, dirigindo e atuando. Com muita alegria estive em Jales prestigiando o evento Sarau no Ponto, fiz questão de estar presente e ao lado de pessoas, como o Clayton Campos e equipe que resistem em defesa de uma das necessidades do ser humano: a Arte. Abraços meus queridos jalesenses”, completou.