A final da Liga de Voleibol Adaptado, promovida pela LIVAP (Liga de Voleibol Adaptado do Interior Paulista) ocorreu em Jales nos dias 04 e 05 de novembro na escola Maria Olympia Braga Sobrinho e no Ginásio Municipal Waldemar Lopes Ferraz, entre as 8h às 18h.

Participaram da competição delegações que representaram 15 cidades da região, com um total de 700 atletas. Os times são compostos por integrantes acima de 50 anos.

A Prefeitura Municipal de Jales contribui ativamente com times de voleibol adaptado da cidade, por meio da Secretaria Municipal de Esporte, Cultura e Turismo. Incentivar a prática esportiva se tornou uma das características da administração do Prefeito Flávio Prandi Franco, o Flá.

Todos os participantes receberam uma medalha honrosa, as equipes campeãs ganharam um troféu. Pela disputa da série ouro na categoria acima de 50 anos, as equipes de São José do Rio Preto foram as grandes campeãs no feminino e masculino, em segundo lugar conquistaram Salto Grande e José Bonifácio respectivamente.

Na categoria acima de 60 anos, São José do Rio Preto também levou o troféu, a medalha de prata ficou com Auriflama. Para o masculino o resultado contou com a equipe de Dracena como campeã e São José do Rio Preto em segundo lugar. Para os mais experientes, maiores de 70 anos, a delegação rio-pretense ficou com o ouro novamente, a prata foi para Araçatuba no feminino. No masculino José Bonifácio ficou com o troféu e Araçatuba com o segundo lugar.

Jales foi representada por quatro times nas categorias 60 e 50 anos, no masculino e feminino, e conquistou a quinta colocação em todas disputadas. As equipes jalesenses são treinadas pelos técnicos Márcio Ferraz e Elcio de Souza. Buscando potencializar os resultados treinam duas horas por dia, três vezes na semana.

Segundo Márcio Ferraz, o trabalho agora segue com intensidade para uma boa colocação no JORI 2018, que se realizará em Janeiro e será disputado na cidade de Andradina.

O voleibol adaptado consiste, simplificadamente, em segurar a bola recebida para então arremessar para o outro lado da rede. Diferente do voleibol tradicional onde não se pode segurara-la.

Por: Secretaria Municipal de Comunicação